19 abril 2009

Raulzito e a Igreja Universal



Por Omar Monteiro Mendes

A cidade de Salvador é palco diário de um embate, um pouco silencioso, mas persistente. Uma das mais improváveis paisagens soteropolitanas é a junção entre o Viaduto Raul Seixas e a Catedral da Fé da Igreja Universal. O “destino” acabou por juntar num mesmo espaço físico símbolos extremamente antagônicos. Raul e a Igreja Universal em uma batalha astral e física.

Os evangélicos petencostais e neopetencostais travaram embates com o cantor durante toda a vida carnal do artista. Na década de 70, algumas publicações religiosas alertavam para o perigo que Raul Seixas representava, uniam-no a figura encarnada do diabo e utilizavam sua vida pessoal como exemplo de desregramento e sinal de perdição. O uso de drogas, casamentos desfeitos e o distanciamento dos princípios cristãos, especialmente o de resignação e subserviência, faziam do Maluco Beleza a própria encarnação de Lúcifer. Além da irritação com os títulos explícitos como “Rock do diabo”, alguns grupos religiosos enxergavam várias mensagens secretas em suas músicas (como se ele precisasse deste tipo de subterfúgio).




A figura do diabo no raulseixismo aparece como símbolo de rebeldia e contestação. Não é uma figura maligna em sentido estrito , pelo contrário, é aquele que dá o “toque”, é um cara camarada. Já as práticas da Igreja Universal são bem mais próximas daquilo que podemos entender como uma propensão ao mal, à desgraça e à danação, nomeadamente podemos citar : a cobrança de dízimos através de pressão psicológica, indícios de lavagem de dinheiro, envolvimento em crimes de natureza sexual (vide caso “Lucas”, abster-me-ei de detalhes, é fácil encontrá-los na net).Se Deus é a representação da tolerância e amor, o diabo do Raulzito está bem mais próximo disso do que o Deus da Igreja Universal.


Rock do diabo (Raul Seixas-Paulo Coelho)

Me dê um porco vivo pra eu encher a minha pança
Dez quilos de alcatra com muqueca de esperança
O diabo, o diabo usa capote
É rock, é fox, trote
O diabo - foi ele mesmo quem me deu os toques
Enquanto Freud explica as coisas o diabo fica dando os toques
Existem dois diabos só que um parou na pista
Um deles é o do toque, o outro é aquele do exorcista
Mamãe disse a Zequinha, nunca pule aquele muro
Zequinha respondeu: mamãe, aqui tá mais escuro
O diabo é o pai do rock
Enquanto Freud explica o diabo dá os toque




Raul Seixas não era inocente e muito menos vítima nessa história, nesse embate com os evangélicos. Na verdade o roqueiro tinha um gosto especial por essa peleja.Numa de suas últimas entrevistas, pouco antes de morrer, Raul Seixas contava que sempre aproveitou da onda da paranóia religiosa. Às vésperas do lançamento de seu último LP, feito com o também endemoniado Marcelo Nova, o título da obra ainda não havia sido escolhido. Algumas semanas antes da decisão final sobre o nome, enquanto a dupla fazia um show histórico em São Paulo (Quase estive lá materialmente, não encontrei ingresso), um grupo de religiosos distribuía aos jovens que compravam as entradas um folheto qualificando o local do show como panela do diabo. Pronto, "A panela do diabo", perfeito! Este foi o título do último trabalho de Raul.

O resultado do censo demográfico no quesito religião, divulgado no ano de 2002, mostra que mais de 15% dos brasileiros são protestantes. É um percentual cinco vezes maior que em 1940 e o dobro do de 1980. Algumas projeções dão conta de um crescimento representativo para os próximos anos, a igreja evangélica do Brasil alcançará, se esse ritmo prosseguir, 50% da população até o ano de 2030.

Raul tinha um tom de galhofa na maioria de suas manifestações, parecia não acreditar em verdades absolutas. O Diabo de Raul não é tangível, não se expressa como um “inimigo” (como é comum entre os evangélicos). É na verdade o avesso do avesso, é a relatividade, o controverso, pode até ser Deus. É a expressão da instabilidade de viver.

Pensando bem, o viaduto e a Catedral da fé da Universal estejam no local certo, os antagonismos entre o Rei do rock tupiniquim e os evangélicos não poderiam encerrar-se com sua morte.Deus escreve certo por linhas tortas. E além do mais, analisando os números a pouco expostos, alguém tem que equilibrar um pouco esse jogo. Toca Raul!!


Pastor João E A Igreja Invisível
Raul Seixas e Marcelo Nova
Eu não sei se o céu ou o inferno
Qual dos dois você vai ter que encarar
E foi pra não lhe deixar no horror
Que eu vim para lhe acalmar
Se o pecado anda sempre ao seu lado
Se o demônio vive a lhe tentar
Chegou a luz no fim do seu túnel, minha filha
O meu cajado vai lhe purificar
Pois eu transformo água em vinho,
Chão em céu, pau em pedra, cuspe em mel
Pra mim não existe impossível
Pastor João e a igreja invisível•
Para os pobres e desesperados
E todas as almas sem lar
Vendo barato a minha nova água benta
Três prestações, qualquer um pode pagar
O sucesso da minha existência
Esta ligada ao exercício da fé
Pois se ela remove montanhas
Também trás grana e um monte de mulher.

Um comentário:

  1. Sonho com o dia em que poderemos pedir "Toca Raul" sentados no banco da igreja!!!

    Só teremos metade da população crente em 2030 se o povo não acordar até lá ... o Raul já tinha acordado bem mais de quarenta anos atrás..

    "Só há amor quando não existe nenhuma autoridade"

    Parabéns pelo artigo! Um abraço! Tom

    ResponderExcluir

Deixe a seu recado para 'A PATADA DE DINOSSAURO'